quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Inflação fecha 2016 melhor que o esperado por governo, BC, mercado e FMI

Do UOL, em São Paulo 11/01/2017 - 10h44 > Atualizada 11/01/2017 - 13h28

 Ouvir

 

0:00

Veja Álbum de fotos

Após fechar 2015 em quase 11%, a inflação desacelerou no ano passado e terminou 2016 em 6,29%. O resultado foi melhor do que o esperado, por exemplo, pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) e pelo próprio governo do presidente Michel Temer.

Em um ano agitado, que culminou noimpeachment de Dilma Rousseff, em agosto, as previsões variaram conforme os desdobramentos da crise política. Veja quais eram as projeções feitas por diferentes entidades.

Banco Central

No final de 2015, o Banco Central previainflação de 6,2% para 2016, em seu Relatório Trimestral de Inflação. A previsão foi subindo ao longo do ano (6,6% em março,6,9% em junho e7,3% em setembro).



Em dezembro, porém, o BC passou a prever inflação dentro do limite máximo dameta, em 6,5%. A meta era de 4,5%, com 2 pontos percentuais de tolerância (podendo variar entre 2,5% e 6,5%).

Governo

O governo de Dilma Rousseff previa, em fevereiro, que o ano fecharia com inflação de 7,44%.

Ao assumir a Presidência interinamente, em maio, Michel Temer reduziu a projeção para 7%. Depois, subiu para 7,2% e, em novembro,baixou para 6,8%.

FMI

Em abril de 2016, o FMI previa inflação de 8,7% para o Brasil. No final do ano, a previsão caiu, mas ainda ficou acima das estimativas do mercado e do governo feitas mais ou menos na mesma época. Em novembro, o fundo previa uma inflação de 7,2%.

Mercado financeiro

Em janeiro de 2016, economistas consultados pelo Banco Central estimavam que o ano terminaria com inflação de 6,93%. As previsões do mercado foram subindo ao longo de fevereiro e atingiram o maior valor no dia 22 (7,62%).

Os analistas consultados pelo Banco Central no Boletim Focus foram diminuindo as previsões a partir de março. Com as sucessivas quedas, em dezembro eles passaram a estimar que a inflação fecharia o ano dentro do limite máximo da meta do governo.

No último levantamento de 2016, os analistas previram inflação de 6,38%.


Nenhum comentário: