domingo, 11 de dezembro de 2016

Relógios e restaurantes caros: a ostentação da delação vazada da Odebrecht


Do UOL, em São Paulo 11/12/2016 - 06h00

 Ouvir

 

0:00

Reprodução

Presente nos 50 anos de Geddel Vieira Lima: Relógio Patek-Philippe, modelo Calatrava, avaliado em US$ 25 mil

"Na ocasião do aniversário de 50 anos de Geddel Vieira Lima, em março de 2009, demos, em nome da Odebrecht, um presente relevante a ele. Compramos um relógio Patek-Philippe, modelo Calatrava", contaCláudio Melo Filho em sua delação.

O relógio é este da foto acima e seu valor na delação foi estimado em US$ 25 mil (R$ 84.322, na cotação deste final de semana).

A peça foi enviada ao ex-ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer com um cartão assinado pelo patriarca Emílio Odebrecht, pelo ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht e pelo próprio delator.

O documento com a delação do ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht traz mais que nomes influentes do Legislativo e Executivo e altos valores em propina --estimadas em R$ 22 milhões. Ele também revela um pouco da vida luxuosa dos políticos e empresários brasileiros envolvidos no esquema.

Reprodução

Relógio Corum Admiral's Cup

Além de Vieira Lima, outro presenteado foi Jaques Wagner. No aniversário do petista, em março de 2012, foi dado um relógio Hublot, modelo Oscar Niemeyer, no valor de aproximadamente US$ 2 mil. Em outra comemoração --Melo Filho não se lembra em que ano--, também foi enviado relógio. Desta vez, era da marca Corum, modelo Admirals Cup --estimado na delação em US$ 4 mil.

Reprodução

Joalheria Grifith (São Paulo)

Segundo o delator, todos esses modelos foram adquiridos na joalheria Grifith, localizada no shopping Cidade Jardim, em São Paulo. O local é conhecido por ser um dos centros comerciais frequentados pela classe alta da capital paulistana. 

As reuniões entre Melo Filho e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB-CE), ocorriam na Secretaria de Aviação Civil, na Torre C do Edifício Parque Cidade Corporate, em Brasília. Com três torres de 12 pavimentos cada e sete subsolos com 4.825 vagas de carros, o edifício foi projetado para receber escritórios de grandes instituições. Em seus arredores encontram-se prédios do setor hoteleiro, shoppings e transportes.

No segundo andar da avenida Brigadeiro Faria Lima, 3900, em São Paulo, teriam sido realizados pagamentos de propinas ao senador Romero Jucá (PMDB-RR) em pelo menos duas ocasiões, em 2010 e 2012. Localizado em região nobre, o prédio já foi sede do banco BVA até 2012, ano em que faliu.

Reprodução

Restaurante Lake's (Brasília)

No documento, Melo Filho também disse: "enquanto Geddel [Vieira Lima] era deputado federal, por várias vezes frequentei o gabinete dele, além de termos, por algumas vezes, almoçado juntos em restaurantes de Brasília, como Lake's, Piantella e Rubayat". O Lake's tem no menu pratos como confit de pato ao molho de frutas vermelhas e musseline de baroa; gastam-se entre R$ 91 a R$ 130 por refeição, segundo um site de roteiros culturais.

Reprodução

Restaurante Piantella (Brasília)

Bem frequentado por políticos de Brasília, o Piantella tinha como slogan "Aqui, governo e oposição sentam-se à mesma mesa". Tinha, porque o restaurante fechou as portas em 1º de setembro deste ano, no mesmo dia em que Dilma Rousseff foi afastada definitivamente da presidência. Era gerido por Carlos Almeida Castro, o Kakay, um dos advogados mais requisitados para livrar políticos e empresários envolvidos em escândalos de corrupção na Lava-Jato.

Reprodução

Restaurante Baby Beef Rubaiyat (Brasília)

Já o Baby Beef Rubaiyat é uma filial brasiliense da famosa rede paulistana de churrascos. Instalado às margens do Lago Paranoá, ele tem um salão todo em vidro e em seu site se diz "ideal para refeições de negócios". O preço médio, por pessoa, fica em torno de R$ 125. 

Nenhum comentário: