sábado, 10 de janeiro de 2015

Segundo o MPL, polícia reprimiu 'violentamente' a manifestação do Passe livre

Maioria dos detidos em ato contra aumento da tarifa é liberada em SP

52 detidos deixaram a delegacia na madrugada; um jovem segue detido.
Segundo o MPL, polícia reprimiu 'violentamente' a manifestação.

Do G1 São Paulo
Detidos aguardam remoção para distrito policial. (Foto: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo)Detidos aguardam remoção para distrito policial. (Foto: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo)
Cinquenta e dois dos 53 detidos durante e depois da manifestação convocada pelo Movimento Passe Livre (MPL) contra o reajuste das tarifas de ônibus, trens e metrô para R$ 3,50 nesta sexta-feira (9) foram liberados na madrugada deste sábado (10), entre às 2h e 3h. Eles estavam detidos no 2º Distrito Policial (Bom Retiro) e 78º Distrito Policial (Jardins).
Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), um jovem de 23 anos segue detido porque foi preso em flagrante por depredação. Com base em imagens do jovem depredando agências bancárias na Avenida Angélica, segundo a secretaria, ele foi indiciado por dano qualificado.
(Correção: O G1 errou ao informar nesta reportagem que todas as 52 pessoas detidas haviam sido liberadas a partir de informações da GloboNews. A informação foi corrigida às 12h36 do dia 10 de janeiro.)
Ao final da manifestação houve tumulto na Rua da Consolação, no Centro de São Paulo. Ao menos três agências bancárias e duas concessionárias de veículos foram depredadas. O SPTV mostrou que funcionários de uma das concessionárias atingidas colocavam tapumes de madeira no local das paredes de vidro na manhã deste sábado.

(O G1 acompanhou a manifestação em tempo real, com fotos e vídeos)
A concentração do ato começou pacífica por volta das 17h em frente ao Theatro Municipal. Os participantes votaram o trajeto da passeata e definiram que seguiriam pela Praça da República e Rua da Consolação para chegar até a Praça do Ciclista, na Avenida Paulista.
Em nota no Facebook, o movimento diz ter reunido 30 mil manifestantes ao longo da manifestação. A Polícia Militar afirma que 2 mil pessoas participavam do ato às 18h30.
Começo do tumulto

O tumulto começou quando o grupo subia a Rua da Consolação em direção à Av. Paulista. Repórteres do G1 acompanharam quando a PM tentava impedir que o sentido Centro fosse bloqueado. Uma pedra foi jogada contra um carro da Força Tática.
O ato prosseguiu, mas mascarados que estavam perto da Avenida Paulista jogaram lixo e chutaram portas de lojas. A PM usou bombas de efeito moral para dispersar os grupos. Algumas pessoas correram por ruas que cruzam a Rua da Consolação e depredaram imóveis na região.
Três agências bancárias tiveram vidros e caixas eletrônicos quebrados: uma do Santander na Rua da Consolação, outra do mesmo banco na Avenida Angélica e uma do Banco do Brasil também na Avenida Angélica. Uma concessionária da Toyota e outra da Kia Motors tiveram vidros quebrados na Rua Matias Aires, na esquina com Rua Augusta. Barricadas com lixo queimado foram usadas para bloquear trechos da Avenida Angélica e da Rua Haddock Lobo.

O tumulto começou por volta das 19h20 e se estendeu por mais de uma hora. Por volta das 20h50, cerca de 200 manifestantes encerram o ato perto da esquina da Rua da Consolação com a Avenida Paulista. Eles combinaram a realização de outro protesto na próxima semana.

O Movimento Passe Livre (MPL) afirmou, em nota, que a PM reprimiu violentamente a manifestação. "(A PM) lançou bombas de gás, bombas de estilhaço mutilante e atirou com balas de borracha para impedir que a marcha chegasse à Av. Paulista", diz o grupo. O MPL não aponta agressões contra a PM ou atos de vandalismo. O movimento diz que a prisão de manifestantes foi "repressão brutal".
Também em nota, a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP) rebateu o MPL. "As imagens da imprensa e da própria corporação deixam claro que as agressões partiram de vândalos. Por isso, foi necessário o uso de técnicas de dispersão para conter estas práticas criminosas, com a prisão e detenção, até o momento, de cerca de 50 pessoas.", afirma a SSP.

"A PM lembra que mais de uma vez convidou o MPL para participar das reuniões preparatórias do esquema de segurança da manifestação realizada nesta sexta-feira. Infelizmente, os integrantes do MPL não compareceram."
Histórico de mobilizações
O MPL iniciou as manifestações que tomaram o país em junho de 2013. À época, o objetivo era impedir o aumento de 20 centavos nos ônibus, trens e Metrô de São Paulo. O protesto desta sexta-feira é novamente contra o aumento das tarifas do transporte público, que subiram de R$ 3 para R$ 3,50 no início deste ano.
A Prefeitura e o governo de São Paulo disseram que a tarifa não era reajustada desde 2011 e que o aumento agora foi abaixo da inflação. A Prefeitura afirmou ainda que implantou o passe livre para estudantes de baixa renda. Também em nota, o governo do estado informou que manifestações pacíficas e democráticas devem ser asseguradas e respeitadas, assim como o direito de ir e vir dos cidadãos e a preservação do patrimônio público.

Nenhum comentário: