terça-feira, 25 de novembro de 2014

Polícia prende 33 por suspeita de fraude em vestibular e no Enem , O Brasil está se Tornando Um pais Extremamente corrupto ?

 

ALEX CAPELLA - Especial para o Estado

24 Novembro 2014 | 17h 53

Grupo de Teófilo Otoni (MG) e do Guarujá (SP) negociava ingresso em faculdade de Medicina a um custo que variava de R$ 70 mil a R$ 200 mil e utilizava moderno sistema de transmissão de dados


BELO HORIZONTE - A Polícia Civil, em parceria com o Ministério Público mineiro, prendeu neste domingo, 23, 33 pessoas suspeitas de fraudar o vestibular de Medicina na Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, localizada em Belo Horizonte, e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A ação foi resultado da Operação Hemostase II, que investigou a quadrilha especializada em negociar vagas nas faculdades a um custo que variava de R$ 70 mil a R$ 200 mil. Nesta segunda-feira, 24, diligências na cidade mineira de Teófilo Otoni e no Guarujá, no litoral paulista, apreenderam bens e documentos de integrantes de uma organização criminosa


O trabalho de investigação ocorre há oito meses e os agentes reuniram como provas cadernos de exames do Enem, gabaritos e comprovantes de depósitos. Os dois suspeitos de liderar a quadrilha são os mineiros Áureo Moura Ferreira, que mora em Teófilo Otoni, na região do Vale do Mucuri, e Carlos Roberto Leite Lobo, empresário que reside no Guarujá.

Ambos foram presos na capital mineira no domingo, data do exame na Faculdade de Ciências Médicas. Eles acompanhavam os trabalhos dos demais integrantes da quadrilha como um policil civil, lotado em Governador Valadares, no Leste de Minas, que estava em um dos carros da quadrilha.

O policial civil dava suporte a dois médicos residentes, que também foram presos, apontados por serem responsáveis por fazer as provas e entregar o gabarito para que as respostas fossem repassadas, por meio de aparelhos de comunicação, aos candidatos. Além de 11 membros da organização, foram presos outros 22 candidatos que seriam beneficiados pela fraude.

Segundo o Superintendente de Investigação e Polícia Judiciária, delegado Jeferson Botelho, a quadrilha adquiriu micropontos eletrônicos e um moderno sistema de transmissão de dados, importados da China, a um custo de US$ 200 mil. "Eles cobravam dos candidatos cerca de R$100 mil para fornecer o gabarito", disse o delegado.

No final da manhã desta segunda-feira, 24, os candidatos detidos no domingo começaram a ser liberados da sede de uma promotoria em Belo Horizonte, no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul, onde prestaram depoimentos desde a madrugada. Já os líderes da organização tiveram o pedido de prisão temporária decretado por cinco dias. O advogado Délio Granda, que representa os suspeitos de comandar o esquema, informou que aguarda decisão para saber se haverá pedido de prisão preventiva. "Pode acontecer, já que eles são apontados como supostos chefe da situação", disse.

Na casa de Áureo Moura Ferreira, em Teófilo Otoni, a polícia apreendeu dois carros e uma moto importados, aparelhos eletrônicos de escuta, computadores e documentos. No Guarujá, na casa de Carlos Roberto Leite Lobo foram apreendidos aparelhos de escuta e provas de vestibulares. Os integrantes da organização podem responder por formação de quadrilha e fraude. Já os candidatos envolvidos no esquema, por fraude. A direção da Faculdade de Ciências Médicas ainda não se pronunciou sobre o caso.

Compartilhar

Nenhum comentário: